sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Uma garota

"Nunca deixe que lhe digam
Que não vale a pena acreditar nos sonhos que se tem
Ou que os seus planos nunca vão dar certo
Ou que você nunca vai ser alguém
Quem acredita, sempre alcança..." ♫
(Mais uma vez - Legião Urbana)

Ela tem cabelos castanhos muito claros - ou louros muito escuros -, cortado em camadas, que caem insistentemente sobre os olhos de cor indefinível. Sua pele é muito pálida - como se não vivesse em nossa cidade, sempre banhada pelo sol - e as roupas por sorte destoam do estilo local. Por algum motivo, seu sorriso me faz ter vontade de sorrir também.

Eu não sei muito sobre aquela garota. Apenas sei que, todos os dias, ela está na porta de um condomínio pequeno, quando nossa van passa. Então, o motorista para e a menina entra no carro. Seu rosto se abre no mesmo sorriso doce de sempre, e ela deseja "bom dia" antes de ocupar seu lugar na primeira fileira de bancos.

Invariavelmente, minha voz é a única que responde o cumprimento - de maneira quase inaudível. Seus olhos se voltam para mim, e ela sorri outra vez. Meu rosto espelha seu sorriso, e volto a olhar a paisagem pela janela do meu banco, na última fileira. Não existe nenhum outro contato entre nós durante o resto do trajeto até nossas escolas.

Eu realmente não sei muito sobre ela. Mas eu sei que, todos os dias, depois de se sentar, seus olhos se voltam para a garota ao lado - como se ela não fosse capaz de evitar que isso aconteça. Então, como se desejasse mudar esse gesto, a menina passa um tempo admirando a janela - como eu. Poucos instantes depois, seus olhos voltam a cobiçar o que seabe que não pode ter.

Não posso deixar de me perguntar, todos os dias, ao olhar aquela garota, se ela é como eu. Se ela vive o que eu vivi. Não posso deixar de reconhecer nos olhos dela o que eu senti, de ver escondido nas entrelinhas de seu sorriso que ela gostaria de receber uma resposta não minha, mas da menina ao lado da qual se senta toda manhã, e que nunca dirigiu-lhe nem ao menos um sorriso.

Eu não posso deixar de ter pena dela, de ter vontade de falar com ela, e de me perguntar se ela sabe o quanto é linda e que devia lutar pelo que quer.
Sam.

2 comentários:

T. disse...

Own... *-*
Bom, talvez ela só precise ouvir isso. -s

Ana Paula disse...

Talvez ela só precise ouvir isso [+1]